A La Gloire Du Grand Architecte De L'Univers
Rito Escocês Retificado
A LOJA

A Augusta e Respeitável Loja Simbólica YESHOUÁ nº 4.518, oficina do Rito Escocês Retificado, é a manifestação de longínquo projeto de instauração das linhagens do mui excelso mestre Martinez de Pasqually em terras brasileiras. Concebida ainda em 2013, foi fundada oficialmente em 18 de Março de 2017 por 9 irmãos desejosos de estabelecerem a verdadeira luz da iniciação no meio maçônico, restaurando a ordem como escola de mistérios e revelando a seus membros os arcanos da evolução e as chaves das operações sublimes. A loja está federada ao Grande Oriente do Brasil e jurisdicionada ao GOB/RS. O Regime Escocês Retificado é um sistema de ascensão do espírito humano, uma via de reintegração para a unidade original. Este sistema inicia com o trabalho maçônico, de onde estabelece-se o Rito Escocês Retificado, que não refere seu nome a retificação de qualquer outro rito, muito menos sugere correção de alguma tradição. É anterior a 1778, data em que é apresentado em sua estrutura permanente, em Lyon / França, no convento de Gaules. O RER assinala o desejo forte de retorno às bases da ordem, em seus rituais sagrados, operativos e secretos, desencadeando as alterações na natureza capazes de produzir a união com o divino, manifestando-a em suas lojas. As sessões da Augusta e Respeitável Loja Simbólica YESHOUÁ nº 4518 serão reservadas e seus trabalhos observam a pena de seu autor maior, Jean Baptiste Willermoz.

 
A loja:

GALERIA DE EX-MESTRES DA LOJA

Saiba mais

Estandarte & Timbre

Saiba mais

AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO

Saiba mais

SAIBA MAIS SOBRE A NOSSA LOJA:

Click here
Vídeos:

RITO ESCOCÊS RETIFICADO

Assista

RER – GRAUS SUPERIORES

Assista

Paramaçônicas:

CAPÍTULO LEÃO DO OCIDENTE nº666 DA ORDEM DEMOLAY

Learn more

BETHEL ATENA nº01 ORDEM INTERNACIONAL DAS FILHAS DE JÓ

Learn more

Outros Links:

CHRISTUS

Learn more

(EM BREVE)

Learn more

"Desejei fazer o bem, mas sem fazer barulho, pois senti que o barulho não fazia bem e que o bem não fazia barulho"

Louis Claude de Saint Martin